Doc-LEK é um núcleo cultural do:

Doc-LEK é um núcleo cultural do:

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Museu do Tenório


      Texto inédito de LUIZ ERNESTO KAWALL


                   O Museu do Bairro do Tenório, que fundei em 1983, com o saudoso Praxedes Mário de Oliveira, procurou nestes anos resgatar a memória ubatubense, seja através dos festivais de viola, como através de seu acervo típico, com peças e objetos dos hábitos dos moradores dos bairros do Tenório, Acaraú e Itaguá. Com a ajuda inestimável de muitos colaboradores, entre os quais destaco João Teixeira Leite, Arnaldo Chieus e Mestre Otávio, reunimos no predinho do Museu Mais de 1000 pertences dos caiçaras – fotos, álbuns, formões, enxós, pilões, máquinas de moer, serras cadeiras, mesas, lampiões, cestas, anzóis, redes, garrafas – inclusive uma legítima pinga “Ubatubana”, etc., isto é, peças antigas e artesanais. Isto já tínhamos visto, em ponto maior, á claro, no Museu do Homem, de Paris, sendo que, a moderna museologia prega justamente a juntada de peças das comunidades de bairro, como os Museus de Rua, o Museu de Família, e outros, que, em ponto menor, alcançam, pela sua tipicidade, uma amostragem espontânea e fiel do grupo humano.
                   Muitas vezes, o nosso museozinho foi retratado na mídia local e de São Paulo, como único repositório da memória viva de Ubatuba, já que, o “Museu Hans Staden”, fundado nos anos 60 pelo prefeito Ciccillo Matarazzo, Wladimir de Toledo Piza, Paulo Florençano, Washington de Oliveira e este modesto escriba, acabou vitimado por sucessivas e desastrosas administrações municipais – e fechou. Seu rico acervo, dizem, está na Fundart, encostado, à espera de um salvador, que lhe dê dignidade e montagem em nome dos que se interessam pela história tão rica da cidade.
                   Pois é esse, o Museu do Bairro, composto em sua arquitetura com as portas, janelas e vitrôs do Hotel Felipe, da Casa Vigneron e da Fazenda Velha, é que agora, formalizamos sua doação ao Projeto Tamar. Entendemos que, agora associado e de todo integrado ao novo núcleo, possa somar esforços na defesa da ecologia e a natureza da costa do litoral norte do Estado, centrado em Ubatuba, e sob o comando dessa dinâmica oceanógrafa Berenice Gallo.
                   O Museu comporá os prédios administrativos do Tamar, em sua nova sede, em terreno doado pela Prefeitura municipal, sob a égide do IBAMA. Agora, não mais como Museu do Bairro, mas como Museu Caiçara, ampliando a sua ação, a sua temática e a sua filosofia de trabalho. Onde entra agora, também, a defesa da melhoria de vida do caiçara, a defesa da mata atlântica e da natureza bela e majestática da costa azul brasileira. Alguém disso, nesta solenidade, citando Monteiro Lobato – que, aliás, correspondia-se com a nossa escritora caiçara Idalina Graça – que “um país não se faz sem homens e livros”. Vamos, aqui, mudar um pouquinho a frase lobateana, adaptando-a aos propósitos do Tamar, com uma epígrafe, senão uma boutade que se pretende seja oportuna:

                   -Um país se faz com homens, livros e... tartarugas!

Nenhum comentário: